Lia Chaia entrega às musas seus bambolês míticos

“O bambolê é a cobra que come o próprio rabo, signo da repetição do tempo.”

“Ocupando a fachada do espaço há a instalação “Esfinge”, composta por cerca de 400 bambolês. Lia Chaia já expôs individualmente no Instituto Tomie Ohtake, em 2002, e participou de mostras coletivas em países da Europa e América Latina.”

infelizmente, não consegui fotos da instalação. 😦

leia mais

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s